Uma copa de desapropriações




Por Lucas Tomas
Nos últimos anos o Brasil passa por um processo de reconhecimento internacional, a ‘melhora’ da economia e os eventos esportivos são fundamentais para tal. Com a Copa do Mundo de 2014, o país terá um fluxo enorme de benefícios, onde pesquisas estimam a geração média de R$ 143 bilhões em investimentos, impactando inclusive o PIB brasileiro.

Por outro lado, a realização deste evento tem gerado grande polêmica na sociedade. De um lado há os favoráveis, que apostam que os investimentos vão melhorar a infraestrutura e desenvolvimento geral das esferas sociais. Já outros, desacreditam na organização do governo, dizendo que o evento traz gastos públicos enormes, inviabilizando investimentos em setores carentes do país, como segurança, saúde e educação.

Ponderando todos os lados, é certo afirmar que o Brasil passará por um efeito de alavancada economia, em que todas as áreas ganharão. Reformulação dos sistemas de transporte, melhora da segurança publica, aumento da classe hoteleira, são algumas das melhorias, gerando empregos em diversos setores.

Mas existem algumas questões que devem ser analisadas de forma mais transparente, que vem sendo pouco abordada pela ‘grande mídia’. As desapropriações geram grandes transtornos para as famílias afetadas, sendo ‘obrigadas’ a deixar suas casas, geralmente recebendo uma quantia pífia comparada aos reais valores de seus imóveis.

O Governo tem o direito de requerer uma determinada área para realização de outros projetos, porém, acredito que estes devem ocorrer de forma justa e que não causem prejuízos a nenhuma parte. Sabemos que muitos dos imóveis desapropriados estão em situação ilegal, e a copa ajuda em suas regularizações, mas não podemos deixar as famílias sem moradia, pois gera desigualdade social, indo contra os deveres do governo.

Certamente todos torcerão que a Copa do Mundo seja um evento grandioso, dando orgulho a toda população. Mas não podemos permitir que seja feito desrespeitando os Direitos Humanos, para não comprometer o futuro do Brasil.

De uma forma geral, o país só tem a ganhar com a vinda do maior evento da FIFA, desde que seja organizado respeitando todos os envolvidos. Muitas obras públicas e privadas se iniciam e o fluxo de turista é maior, aumentando as oportunidades de renda para a população. Com uma boa gestão, toda a sociedade ganha! Mas com uma boa gestão...